Julho sem plástico: 31 formas de reduzir o plástico na sua vida

Por Letícia Maria Klein •
02 julho 2020
Chegou o mês de julho para te incentivar a diminuir a quantidade de plásticos na sua rotina! A campanha #julhosemplastico, ou #plasticfreejuly, nasceu em 2011 na Austrália e se espalhou pelo mundo. Você pode até se inscrever para participar da campanha oficial no site da fundação Plastic Free July

A ideia é que, durante o mês de julho (e para sempre, de preferência), você evite usar materiais descartáveis ou consumir plásticos novos – se você tem itens de plástico resistente (não descartável) em casa, é claro que pode usá-los para algumas das dicas abaixo, afinal, descartar algo que está em bom estado não é sustentável, mesmo que seja para comprar outra coisa melhor. Para te ajudar a consumir menos plastiquinhos, este post tem uma dica para cada dia do mês. Vamos juntos? 

Algumas das soluções que eu uso para reduzir o plástico na minha vida
Algumas das soluções que eu uso para reduzir o plástico na minha vida



1. Tenha sua própria caneca, garrafa ou copo retrátil para evitar o uso do copo descartável.

2. Carregue seu próprio canudo de metal, bambu ou vidro para evitar os canudos no restaurante. Importante! Lembre-se sempre de pedir para não colocar o canudo, porque às vezes já vem dentro da bebida.

3. Use sacos de pano para comprar pão na padaria e outros alimentos a granel, como frutas e verduras no mercado, na feira ou em lojas do ramo.

4. Potes de vidro também podem ser usados para comprar alimentos a granel, geralmente em lojas ou feira (precisa tarar o pote antes).

5. Troque as sacolas plásticas do mercado por opções retornáveis. Como substituir? Continue lendo.

6. No lugar da sacola na lixeira do banheiro, use um saco de papel (que pode ser o do pão ou uma dobradura).

7. Coloque os resíduos recicláveis dentro de embalagens de produtos que você comprou, assim não precisa usar sacola de plástico.

8. Outra opção é usar caixas de papelão para colocar os resíduos. Use uma caixa para os vidros também.

9. Carregue um kit de talheres para onde for para evitar os descartáveis, ou para usar quando os talheres do restaurante estiverem dentro de um saquinho plástico (que não costuma ser enviado para a reciclagem).

10. Troque a escova de dente de plástico por uma opção de bambu, com cerdas naturais. Existem várias no mercado hoje, e é fácil encontrar na farmácia. A vantagem é que pode ser compostada.

11. Escovão de plástico de limpeza também tem opção em madeira e cerdas naturais, e pode ser compostado.

12. Vassoura de madeira e palha substitui muito bem a de plástico, e – adivinha – pode ser compostada.

13. O tubo da pasta de dente dificilmente é reciclado, então uma boa opção são as pastilhas dentais ou a pasta em barra. Também existem receitas que você pode fazer em casa, mas é bom pesquisar bastante e falar com seu dentista.

14. Se você usa creme corporal, pode procurar opções em vidro ou mesmo fazer a sua própria receita de creme em casa (tem algumas na internet).

15. Substitua o plástico filme e o papel alumínio no fechamento de potes por embalagens multifuncionais de cera de abelha: são pedaços de pano encerados usados para embalar alimentos ou fechar potes. Você pode fazer ou comprar pronto.

16. Se for comprar alguma peça de roupa, prefira as de fibras naturais, como algodão e linho, por exemplo, pois as sintéticas são feitas a partir de plástico. 

prefira roupas de algodão ou outras fibras naturais
Uma das minhas roupas feita 100% com algodão



17. Substitua o aparelho de barbear de plástico pelo de metal, que dura sua vida toda e você só precisa trocar a lâmina. Daí é só encaminhar as pecinhas para a reciclagem. 

18. Para evitar gerar tantas canetas, existem algumas opções de caneta-tinteiro, com tinta que vem em potinho, como antigamente. É mais comum no exterior, mas pela internet dá para encontrar opções. Algumas papelarias também têm.

19. Na cozinha, você pode trocar utensílios de plástico por opções de metal, como talheres, concha, espátula, ou de madeira, como pás e colheres grandes para usar na panela.

20. Tábuas de plástico para cortar alimentos podem ser trocadas por tábuas de vidro ou de madeira.

21. Quando precisar de potes, reutilize embalagens de vidro (ou até de plástico) de alimentos ou compre potes de vidro.

22. Ao comprar material escolar, também prefira opções que não sejam de plástico, como régua e tesoura de metal, borracha natural (não sintética) ou feita a partir de reaproveitamento de materiais (os dois modelos são produzidos pela Mercur).

23. Troque a esponja de lavar louça de plástico por bucha vegetal. Dá até para plantar em casa, o que evita a embalagem.

24. Reduza o consumo de isopor, preferindo produtos que venham embalados em materiais mais facilmente recicláveis. Neste post tem várias dicas para evitar, reutilizar e reciclar o isopor.

25. Bora pra cozinha? Para evitar embalagens plásticas e produtos industrializados, você pode fazer suas próprias comidas em casa, como pão, macarrão, bolo, hambúrguer vegetariano, pizza e muito mais.

26. Mulheres, troquem os absorventes descartáveis de plástico por um coletor menstrual ou absorventes de pano. Além de sustentáveis, vão te dar uma economia enorme de dinheiro. Sério, dê uma chance, você não vai se arrepender!

27. Como o papel higiênico vem numa embalagem de plástico, uma boa forma de evitar esses dois resíduos é usar uma ducha higiênica (ou um bidê) e um paninho para se limpar.

28. Seguindo a lógica do papel embalado em plástico, use guardanapos de pano em casa (e tenha sempre um na bolsa ou no bolso). Você pode fazer os guardanapos a partir de peças de roupa antigas ou retalhos de tecido.

29. Mais uma coisa que vem embalada em plástico: algodão. Prefira rodelas de tecido de algodão ou mesmo um pano, dependendo do uso.

30. Ao comprar sabonetes, escolha aqueles embalados em papel, e sempre que possível, escolha aqueles feitos com ingredientes naturais e benéficos. Você consegue encontrar pela internet, em empórios ou lojas de produtos naturais.

31. Na mesma linha, existem shampoos e condicionares em barra, que não vem embalados num pote de plástico. Tem de várias marcas e modelos no mercado, e é bem fácil encontrar on-line.

Você achou que nem tinha 31 formas de tirar o plástico da sua vida, né? Pois tem muito mais! Me conta nos comentários quais dessas você já faz e quais vai colocar em prática já já.

Um ecobeijo e até breve!
+

Gaia: alerta final, de James Lovelock [Resenha]

Por Letícia Maria Klein •
25 junho 2020
A terra, nosso planeta casa, está viva. É um organismo que se autorregula por meio dos seres vivos, rochas, oceano e atmosfera, todos conectados em um sistema em evolução. Todos inter-relacionados e interdependentes de alguma forma.

É isso que diz James Lovelock na teoria de Gaia, que ele formulou nos anos de 1980 a partir da hipótese de Gaia, criada na década anterior. Em "Gaia: alerta final", o autor faz um retrato sombrio das ações e consequências da humanidade no planeta, que tem nos colocado rumo a uma catástrofe climática que pode ser irreversível. 

Gaia: alerta final, de James Loveck


Para ele, a redução da queima de combustíveis fósseis, do uso de energia e da destruição das florestas não é uma resposta suficiente ao aquecimento global, que pode acontecer mais rápido do que nossa capacidade de reação. Aqui ele dá um panorama geral e analítico da previsão climática, explicando os modelos e o consenso (equivocado!) do IPCC, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU.
“Civilizações destroem a si próprias com ideologias que, como vírus de computador, incapacitam seus sistemas operacionais. [...] A crise é o resultado de colocarmos os direitos humanos antes dos deveres humanos com a Terra e as demais formas de vida com as quais compartilhamos a Terra.” (p. 230, 232)
James Lovelock é amigo de Stephan Harding, professor com quem tive aula na Schumacher College. Ele eventualmente falava sobre o cientista – nós estudamos a teoria de Gaia, inclusive. Além de criador da teoria, Lovelock inventou o instrumento que mede a quantidade de CFCs na atmosfera.

Neste livro, o autor coloca em xeque o que se considera sustentável hoje, como energia eólica, por exemplo - ele aposta todas as fichas em energia nuclear, a partir da explicação dos prós e contras de diversas fontes de energia e alimento. Ele também explora as técnicas de geogenharia e a discussão sobre o que é ser ou não ser verde.

Lovelock sempre foi considerado polêmico, e apesar de oito previsões da sua teoria já terem sido confirmadas, ele não é majoritariamente aceito na comunidade científica.
“A aceitação lança dúvida sobre o modo como a ciência é dividida em um conjunto cômodo de disciplinas, e torna indesculpável continuar a prever e planejar nosso futuro com base na ciência reducionista dos séculos passados. [...] A teoria de Gaia é holística, um sistema teórico completo e, como tal, não pode ser modelada utilizando os conceitos das ciências da Terra ou da vida separadamente” (p. 179, 190)

A ideia da teoria é que o planeta sempre vai buscar, por meio do seu sistema integrado, regular as condições de superfície para favorecer a vida e a habitabilidade. Faz todo o sentido, e se quisermos mudar o futuro da espécie humana no planeta, precisamos todos ter consciência da interdependência dos elementos desse sistema. 
“Um entendimento correto da Terra como um planeta vivo é uma questão de vida ou morte para bilhões de pessoas e de extinção para toda uma gama de espécies. [...] Não há um conjunto de regras ou prescrição para viver com Gaia, só existem consequências.” (p. 188 – 190)
A leitura do livro foi um pouco arrastada para mim, especialmente na primeira metade, e penso que só consegui aproveitar bem a obra porque já tinha conhecimento sobre o assunto, inclusive do meu curso de Ciência Holística na Schumacher (este livro é o último de uma série sobre Gaia, então talvez seja bom começar pelo primeiro).

Lovelock usa uma linguagem mais técnica e tem pensamentos que podem ser considerados polêmicos, talvez até contraditórios. Em nove capítulos, o cientista nos leva por uma jornada sobre história humana, nossas ações e impactos no planeta, as consequências dos modos de vida antropocêntricos, alternativas e soluções (que ajudam, mas não resolvem tudo), a evolução da teoria de Gaia, percepções sobre o planeta vivo, ideias sobre o que é verde e sustentável e um cenário futuro.

Concorde com ele ou não, James Lovelock contribuiu para revolucionar o modo como se pensa e faz ciência hoje - e como as pessoas enxergam a si mesmas no planeta.
+

Um residuário para os resíduos recicláveis especiais no condomínio

Por Letícia Maria Klein •
16 junho 2020
Agora o condomínio onde eu moro tem um residuário montado e estruturado, com caixas para tipos específicos de resíduos recicláveis. A cooperativa que recebe a coleta seletiva da cidade não aceita todos os tipos (por falta de comprador e capacidade) e alguns dos resíduos são especiais, pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, então precisamos dar outro destino para eles por meio da logística reversa.

São eles:
Brinquedos Hasbro;
Cápsulas de café;
Equipamentos eletroeletrônicos e acessórios;
Esponjas de cozinha;
Instrumentos de escrita;
Isopor (bandejas e peças de proteção);
Pilhas e baterias.

Para montar a estante e prateleiras do residuário, compramos trilhos, suportes e tábuas de madeira. Para armazenar os resíduos, estamos usando, por enquanto, caixas de papelão e potes redondos de plástico que eram de alimentos. A ideia foi começar com o que já tivéssemos à mão, sem precisar comprar caixas novas. Eu estava esperando a oportunidade de conseguir materiais usados, até que a solução apareceu em uma conversa com minha amiga arquiteta Grazi (tivemos um papo muito legal sobre espaços sustentáveis no Instagram, aliás). 

Residuário para resíduos recicláveis especiais

Nós falávamos sobre composteiras, que podem ser feitas com aqueles baldes redondos ou quadrados que padarias e mercados descartam muito, então me veio a ideia de utilizar esses mesmos baldes para armazenar os resíduos no residuário. Além de dar outro uso para as caixas que seriam descartadas, economizamos um bom dinheiro, já que o valor cobrado costuma ser bem baixo – quando não de graça, se o local quiser dar. Depois que eu trocar as caixas de papelão, atualizo o post com uma foto do residuário repaginado.

Em relação aos resíduos, daremos os seguintes destinos:
  • Brinquedos Hasbro: programa da TerraCycle.
  • Cápsulas de café: aqui daremos destino a grupos que fazem artesanato, mas também tem dois programas da TerraCycle para três marcas específicas.
  • Equipamentos eletroeletrônicos e acessórios: empresa em Blumenau que recicla esses resíduos.
  • Esponjas de cozinha: programa da TerraCycle.
  • Instrumentos de escrita: programa da TerraCycle.
  • Isopor (bandejas e peças de proteção): Reciclagem Saturno, que encaminha o material para a empresa de reciclagem Termotécnica, em Joinville.
  • Pilhas e baterias: mercados e empresas que trabalham com reciclagem de baterias de carro.

Se as ações de uma família para reduzir, reutilizar e reciclar seus resíduos faz diferença, imagina o impacto de várias famílias juntas! Se você mora em casa, pode fazer com os vizinhos da sua rua, e também dá para organizar um residuário na empresa onde você trabalha. A resposta aqui no prédio foi 100% positiva e já tem resíduos nas caixinhas!

Vou manter uma planilha da quantidade de resíduos arrecadada e seus devidos destinos, assim fica mais fácil de contabilizar e ver o impacto positivos das nossas ações.

Um ecobeijo e até breve!
+

Vídeos sobre sustentabilidade durante o Junho Verde

Por Letícia Maria Klein •
09 junho 2020
No dia 05 de junho comemora-se o Dia Mundial do Meio Ambiente, quando teve início, lá em 1972, a primeira Conferência da ONU sobre Meio Ambiente Humano. Aqui em Blumenau a celebração é no mês inteiro. O Junho Verde é realizado desde 2016 e está previsto na lei 8.288/16 (nos anos anteriores havia a Semana do Meio Ambiente).

Neste Junho Verde, participei com duas ações: um vídeo com dicas para ser lixo zero no dia a dia (a segunda semana de junho é a Semana Lixo Zero na cidade, por lei) e uma live com a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Blumenau sobre sustentabilidade na nossa vida. Os dois vídeos estão aqui embaixo. Vale a pena seguir o instagram da Semmas para acompanhar todas as ações do Junho Verde na cidade.

Live sobre sustentabilidade no dia a dia
Live sobre sustentabilidade no dia a dia

Dicas para ser lixo zero
Sustentabilidade no dia a dia



Um ecobeijo e até breve!
+

Lixo Extraordinário, de Lucy Walker [Resenha]

Por Letícia Maria Klein •
02 junho 2020
Tião, Zumbi, Magna, Irmã, Isis, Suelen e Valter. Pessoas invisíveis para a maior parte da população, confundidas com o material do qual tiravam seu sustento: lixo. Em 2010, elas viraram personagens no documentário Lixo Extraordinário (Waste Land), dirigido por Lucy Walker.

Imagens aéreas do então lixão de Jardim Gramacho mostram montanhas de descarte em meio à Floresta Atlântica, uma cicatriz de danos humanos à casa Terra. Forte o suficiente, mas que não capturam a outra face do problema da produção de lixo: as vidas humanas que trabalhavam e dependiam daquele lugar para sua sobrevivência. 

Cartaz do documentário Lixo Extraordinário (Waste Land)

Para mostrá-las ao mundo, o artista plástico Vik Muniz fez da sua arte um projeto social. Um dos maiores artistas brasileiros reconhecidos internacionalmente, ele utiliza os mais diversos materiais para fazer suas obras, como sujeira, diamantes, açúcar, cabos, cordas, calda de chocolate, pasta de amendoim e pigmento. E também resíduos sólidos. O que importa para ele é “mudar a vida de um grupo de pessoas usando o material que elas usam”. Por isso a diversidade de matéria-prima.

O dinheiro arrecadado com a venda das obras (que tiveram a contribuição dos próprios catadores) foi revertido para a Associação dos Catadores do Aterro Metropolitano do Jardim Gramacho, liderada por Tião Santos, hoje empreendedor social.

O filme, produzido e realizado a longo de três anos, foi indicado ao Oscar de Melhor Documentário em 2011 e levou Tião para o tapete vermelho. Um ano depois, o lixão, considerado o maior da América Latina, foi extinto e no lugar foi implantado um Polo de Reciclagem no fim de 2013 (mas a situação não melhorou; poucas pessoas continuaram empregadas e ainda há o descarte ilegal de lixo por lá).
 
Tião Santos vendo a representação da sua própria foto

O documentário começa com foco em Vik e vai aos poucos apresentando a vida e a realidade dos catadores de materiais recicláveis do lixão, mostrando todo o desenvolvimento do projeto, desde a ideia até a exibição das obras de arte e o “depois” dos protagonistas. 

Com o retorno financeiro, algumas daquelas pessoas conseguiram mudar sua vida e saíram do lixão. O projeto não mudou só a realidade delas, mas a forma como elas se percebiam enquanto pessoas e trabalhadores.

Além da questão humana fortemente presente na narrativa, que aproxima o espectador da história, envolve e emociona, o documentário traz à tona a problemática da produção de lixo em suas dimensões sociais, ambientais e econômicas. Consumismo, desperdício, poluição, classes sociais, condições de trabalho e preconceito são alguns dos temas sobre os quais podemos refletir. 

Trailer do documentário

As artes plásticas e o cinema têm o poder de conscientizar e abrir os nossos olhos para questões que precisam ser discutidas e modificadas na sociedade. Só existe lixo no mundo porque nós, seres humanos, produzimos lixo – materiais que desperdiçamos e não reaproveitamos. É nossa responsabilidade e nosso dever mudar isso. Com consciência e ações diárias. 

Documentário recomendadíssimo! 

Um ecobeijo e até breve!
+

O que fazer com a caixa de pizza engordurada?

Por Letícia Maria Klein •
26 maio 2020
Você já deve ter se perguntado se a caixa de pizza é reciclável ou não, por causa da gordura. A dúvida vale para qualquer outro papel engordurado. Eles são, sim, recicláveis, mas não são todos os lugares que aceitam. O que acontece é que a gordura reduz a permeabilidade do papel e faz com que a versão reciclada final fique mais fraca.

As ligações químicas entre as fibras de celulose, chamadas de pontes de hidrogênio, são uma das forças que mantém a resistência do papel. Qualquer processo de impermeabilização (como parafina ou gordura) afeta essas pontes.

A explicação é do professor Jackson Roberto Eleotério, do Laboratório de Processos de Industrialização da Madeira, do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Regional de Blumenau (Furb). 

Caixa de pizza engordurada pode ser reciclada. Fonte: Pixabay.

Conclusão: a gordura influencia o resultado, mas não inviabiliza o processo de reciclagem. A única restrição que a lei prevê é que embalagens de papel pós-consumo já recicladas não devem ser usadas para armazenar alimentos. Então, caixas de pizza engorduradas podem virar caixa de papelão de uso genérico, que não sirvam para acondicionar comida.

Em Blumenau, a cooperativa de catadores de material reciclado da coleta seletiva aceita caixas de pizza com gordura. Mas como nem todas recebem, se você mora em outra cidade, entre em contato com a prefeitura e cooperativas para tirar a dúvida.

Solução além da reciclagem

O que você pode fazer para dar um destino mais sustentável à sua caixa de pizza, quando ela não for aceita na coleta seletiva, é retirar a parte com gordura e separar o restante do papelão limpo para a reciclagem. Os pedaços com gordura podem ser compostados na sua composteira ou minhocário, ou enterrados no jardim – na verdade, a caixa de pizza inteira pode ser compostada, é só cortar em pedacinhos. 

Sacos de papel da padaria que estão engordurados também podem ir para a compostagem (ou servir para armazenar resíduos em casa como alternativa à sacola plástica), além de guardanapos e papel toalha.

Outra solução é evitar a caixa de pizza, especialmente quando você for ao restaurante e pedir pizza à lá carte. Leve um pote na bolsa para trazer os pedaços que sobram. O lanche sem lixo do dia seguinte já está garantido.

Um ecobeijo e até breve!
+

© 2013 Sustenta Ações – Programação por Iunique Studio