Como usar o biofertilizante produzido no minhocario – Meu santo composto #8

Por Letícia Maria Klein •
14 maio 2019
A compostagem feita no minhocário produz muito biofertilizante, que é o líquido escuro resultante da decomposição dos alimentos. A cor marrom ou preta é derivada da passagem da água pela terra. É um fertilizante natural rico em nutrientes e muito forte. Costumava ser chamado de chorume, mas para não ser confundido com o líquido tóxico que é produzido no aterro sanitário, é agora denominado de biofertilizante.

Por causa da sua concentração, deve ser usado na proporção de uma parte dele para 10 de água. Pode ser aplicado pelo menos uma vez por semana. Assim como nós precisamos de uma dose diária de nutrientes, as plantas também precisam, então o ideal é dar um pouco por dia, sempre variando as fontes de adubo, como explica a Carol Costa no livro Minhas Plantas. Eu coleto o biofertilizante numa garrafa reutilizada e coloco de uma a duas vezes por semana nos vasinhos.

Biofertilizante produzido no minhocário
Biofertilizante produzido no minhocário. Está diluído em água, mas está mais claro
do que o normal porque a caixa do meio quase não tem mais resíduos
e está na hora de eu trocá-la de lugar com a de cima.

Ao contrário do minhocário, o processo que existe na composteira não produz biofertilizante (ou produz muito pouco), pois a água é eliminada na forma de vapor graças às altas temperaturas. Por isso ela é chamada de compostagem termofílica. Na composteira que eu fiz e usei por quase um ano nunca foi gerado biofertilizante. Depois adquiri um minhocário e estou com ele até hoje. Uma das vantagens é justamente a obtenção de dois produtos: um adubo sólido e um líquido.

Para saber se o biofertilizante está bom, é só cheirar. Se não tiver odor, então seu minhocário está saudável e em equilíbrio. Se o cheiro estiver ruim ou forte, você pode estar colocando resíduos que não podem ser compostados ou a relação entre carbono e nitrogênio está desequilibrada. Se estiver bom, é só diluir e alimentar suas plantinhas.

Um ecobeijo e até breve.
+

Como evitar descartáveis de plástico sem um kit lixo zero

Por Letícia Maria Klein •
10 maio 2019
Você está de boa no trabalho e alguém te convida para tomar um café na padaria. Ou você está na rua e quer parar para fazer um lanche. Mas seu kit lixo zero não está contigo. E agora? Tem como comer na rua sem gerar todo aquele lixo? Veja abaixo o que você pode fazer para gerar o menos possível de resíduos descartáveis e garantir que nada vá para o aterro sanitário ou lixão (pelo menos da sua parte).

Peça copo de vidro
Tem estabelecimentos que têm tudo descartável, tudo durável ou meio termo. Neste último caso, geralmente há copos de vidro (às vezes eles são usados para algumas bebidas e não outras, como eu já presenciei). Aproveite que eles estão lá e peça a sua bebida no copo de vidro. Dificilmente vão te dizer não e você já pode aproveitar o momento para explicar seu pedido.

Sem canudo
Muitas vezes o seu suco, chá gelado, refrigerante ou caipirinha já vem com o canudo dentro. A cerveja nunca vem, já reparou? Utilize essa lógica e na hora de pedir a bebida acrescente um “sem canudo, por favor”. Certa vez, numa lanchonete com amigos, esse pedido feito de forma coletiva incentivou o dono a tirar os canudos do estabelecimento já no dia seguinte. Bom para o ambiente e para o restaurante, que vai gastar menos com descartáveis. Você pode até sugerir alternativas e substituições ao canudo de plástico.

No prato em vez do saquinho
Tem lugares que vendem sanduíches e hambúrgueres numa embalagem descartável e depois te entregam a comida num prato de porcelana, vidro ou plástico resistente. Nesses casos, você pode pedir sem a embalagem, direto no prato. Suas opções a partir daí podem ser pedir talheres (se tiver de metal, não de plástico), usar guardanapo (veja as próximas dicas) ou usar só as mãos e depois lavá-las no banheiro. 

Lanche de sanduíche no prato sem embalagem
Lanche de sanduíche no prato sem embalagem

Peça guardanapo em vez de prato descartável
Se só tiver descartáveis no restaurante e seu lanche permitir, peça para te entregarem no guardanapo em vez de no prato descartável. O papel leva muito menos tempo para degradar do que o plástico e tem uma cadeia produtiva menos impactante. Quando é inevitável gerar resíduos, melhor optar pelo menos pior.

Composte o guardanapo
Quem faz compostagem doméstica pode levar o guardanapo de papel usado no restaurante para casa. Ele é um elemento seco necessário para o funcionamento da sua composteira ou minhocário.

Guarde para reutilizar ou encaminhar corretamente
Se não teve jeito e acabou sobrando um copo, prato ou talheres descartáveis, você pode lavá-los no banheiro e reutilizar para qualquer finalidade. Uma faca de plástico pode servir de tutor em vaso de planta, por exemplo, assim como um canudo. Ou você pode apenas levá-los para um coletor de recicláveis da coleta seletiva da sua cidade (dificilmente o restaurante separa os resíduos passíveis de reciclagem, tudo costuma ir num mesmo saco para a coleta de rejeitos e orgânicos). Muitas vezes eu levo resíduos para casa só para separar para a coleta seletiva que passa na minha rua.

Por fim (mas na verdade é o primeiro passo), é legal você dar uma olhada pelo ambiente antes de fazer o pedido para saber quais utensílios o restaurante tem e a partir daí pensar em como você pode evitar gerar resíduos ou reduzi-los ao mínimo. Tem alguma outra dica para compartilhar? Comente aqui embaixo. Um ecobeijo e até breve.
+

12 vantagens do coletor menstrual de silicone

Por Letícia Maria Klein •
07 maio 2019
Desde 2015 eu utilizo um coletor menstrual de silicone em vez de absorvente descartável. Minha única reclamação é não ter descoberto essa revolução feminina antes! Fácil de usar, durável, reciclável e com valor de investimento que se paga em média em seis meses de compra de outros absorventes são algumas das vantagens.

Não gerar lixo é outro benefício maravilhoso, visto que uma mulher utiliza em média 17 mil absorventes descartáveis durante a vida e que levam pelo menos um século para começar a degradar. Fraldas levam 600 anos para se decomporem! Apesar de já existir reciclagem desses materiais absorventes (feita pelas empresas europeias Knowaste e Fater), o processo é caro e o mercado é muito pequeno. Ainda, a melhor forma de lidar com o lixo é não gerá-lo.

Coletor menstrual de silicone
Meu coletor menstrual de silicone e a caneca de ágata que utilizo para ferver o copinho

Desde que comecei a usar, percebi que o coletor menstrual tem muitas vantagens, veja só:

1 - Não gera resíduos durante seu uso. Nenhum.

2 - É totalmente reciclável, então pode descartar para a coleta seletiva sem medo (só verifique se a cooperativa de reciclagem recebe materiais de silicone).

3 - É fácil e rápido para inserir e remover (o coletor é usado internamente e fica na entrada do canal vaginal). O produto vem com um manual de instrução e tem vários vídeos na internet que explicam como colocar.

4 - Ao contrário dos absorventes externos descartáveis, não produz cheiro nenhum, pois o sangue não entra em contato com o ar.

5 - É higiênico pelo mesmo motivo descrito acima.

6 - O coletor pode ficar por até 12 horas no corpo, o que permite colocar de manhã antes de ir trabalhar e só retirar quando chegar em casa. A quantidade de vezes em que será necessário descarregar o copinho depende do fluxo da menstruação.

7 - É muito fácil de cuidar: basta lavar com sabão neutro sempre que retirar para esvaziar e antes de inserir novamente. No fim do ciclo, é só ferver numa caneca de ágata esmaltada por cinco minutos. O sangue vai no vaso sanitário mesmo.

8 - Dá uma sensação de liberdade tremenda, nem parece que você está naqueles dias.

9 -  É confortável. Não dá para sentir o copinho, pois ele é flexível e se ajusta ao corpo.

10 - Não vaza. Nem durante o sono.

11 - Dura cerca de 10 anos, então o investimento inicial que se paga em menos de um ano tem um excelente custo benefício.

12 -  Tem diversos modelos, cores e tamanhos diferentes para atender a todas as mulheres.

Algumas cidades têm pontos de venda do coletor, mas o comum mesmo é comprar pela internet. Algumas marcas do mercado são Holy CupInciclo (uso esta), Korui e Meluna. Vale pesquisar bem antes de escolher o seu, devido à diversidade de tipos. Se você ainda não tem, permita-se descobrir e usufruir essa maravilha feminina! Um ecobeijo e até breve.
+

Minhas minhocas estão amarelando? – Meu santo composto #7

Por Letícia Maria Klein •
03 maio 2019
Faz cerca de um mês que as minhocas californianas do meu minhocário parecem estar mudando de cor, passando de tons avermelhados para amarelados. Ai ai ai e agora? Uma vez ouvi um relato de uma pessoa que só colocava papel no minhocário no início e as minhocas ficaram brancas. O que eu percebi é que tenho colocado muito mais bananas do que qualquer outro alimento no último mês e penso se é isso que pode estar interferindo na coloração delas.

Entrei em contato com o pessoal da Morada da Floresta, que fabrica minhocários, e eles me responderam que a cor é da própria espécie, algumas minhocas californianas são mais amarelas do que vermelhas, mesmo. Conversei com alguns amigos que também têm minhocário, mas eles nunca viram minhocas tão amarelas quanto esta da foto e estranharam o fato. Como só estou colocando o que elas podem comer, como frutas, hortaliças e borra de café, imagino que a mudança de cor deve ser por causa do excesso de bananas. Ou será do pó de café?

Uma minhoca californiana bem amarela
Uma minhoca californiana bem amarela

Assim como nós, seres humanos, precisamos de uma alimentação diversificada que nos dê todos os nutrientes necessários para uma boa saúde, as minhocas também precisam. Eu sei isso, mas não tive muito tempo para cozinhar durante o mês de abril e diminuí meu consumo de frutas. Ruim para mim e para as minhocas. Além de compostarem meus resíduos orgânicos, elas estão me ajudando a avaliar meu cardápio. Nesta semana já comecei a colocar outros alimentos. Vou ficar acompanhando para ver como elas se comportam e volto a esse tema daqui a um tempo para contar como elas estão.

Se você sabe o que pode estar deixando as minhocas amarelas, por favor, comente aqui embaixo. Um ecobeijo e até breve.
+

A linda natureza no Jardim Botânico de Timbó

Por Letícia Maria Klein •
26 abril 2019
Ótima opção para passeio, descanso, caminhadas, piquenique, brincadeiras com as crianças e uma boa refeição. O Jardim Botânico em Timbó tem cerca de 26 mil metros quadrados de natureza e é um local muito agradável para se estar (para tornar o momento ainda melhor, recomendo passar repelente, pois tem muitos mosquitos, especialmente nos bosques e no restaurante). Eu já tinha visitado o parque em 2013, durante um evento de observação de aves, e fui novamente no último fim de semana de Páscoa. Devido à atual estação do ano, o outono, não há muita floração, mas os lagos estavam cobertos de vitórias-régias. Tem também muitas aves por causa do ambiente natural cheios de árvores e lagos. 

Lago no Jardim Botânico de Timbó
Lago no Jardim Botânico de Timbó
Lago e vitórias-régias no Jardim Botânico de Timbó
Lago e vitórias-régias no Jardim Botânico de Timbó

Muitas vitórias-régias no Jardim Botânico de Timbó
Muitas vitórias-régias no Jardim Botânico de Timbó

Para alimentação, há um restaurante típico e quiosques com churrasqueira para você preparar sua própria refeição. O Jardim tem caminhos amplos entre os gramados e trilhas nos bosques, que permitem uma imersão na natureza. Tem também o horto florestal da cidade, lagos e um parque infantil. É um ótimo lugar para ir com amigos para uma roda de conversa, música e jogos. 

Bosque no Jardim Botânico de Timbó
Bosque no Jardim Botânico de Timbó

Caminho no Jardim Botânico de Timbó
Caminho no Jardim Botânico de Timbó

Horto florestal no Jardim Botânico de Timbó
Horto florestal no Jardim Botânico de Timbó
Poderiam ser feitas algumas melhorias no local, como a colocação de bancos ao longo do trajeto e a manutenção de canteiros de espécies vegetais que florescem em diferentes épocas do ano, para deixar o ambiente mais colorido e convidativo à observação da flora local. Eu amo observar flores e elas são atrativas a muitas espécies de aves e abelhas, grandes responsáveis pela polinização de espécies vegetais no planeta. Estou curiosa para visitar o parque durante a primavera para ver a floração das árvores. 

Ponto de madeira sobre o lago no Jardim Botânico de Timbó
Ponto de madeira sobre o lago no Jardim Botânico de Timbó

Para quem mora na região, o Jardim Botânico de Timbó é uma ótima opção de passeio frequente e um local fantástico para observar as diferentes estações do ano e as mudanças que elas trazem para a flora e fauna local. Para quem está turistando, vale muito a pena colocar na programação da viagem.

Serviço:
Endereço: Km 01 da Rodovia SC 417, bairro Das Capitais, Timbó.
Entrada gratuita
Horários de funcionamento:
- Jardim Botânico: das 7h às 18h, todos os dias.
- Restaurante: de terça a sexta, das 11h às 14h30; sábado e domingo, das 11h às 15h.
- Horto florestal: de segunda a sexta-feira, das 7h às 16h30h.
Infraestrutura: quiosques com churrasqueira, trilhas, bosques, restaurante, banheiros públicos, horto florestal, estacionamento, lagos e parque infantil.
Informações complementares:
- Não é permitido acampar;
- Não é permitida a circulação de veículos automotivos;
- Cães somente com coleiras e focinheiras.
+

© 2013 Sustenta Ações – Programação por Iunique Studio