Walden ou A vida nos bosques – Resenha

Por Letícia Maria Klein •
27 outubro 2015

Henry David Thoreau foi um homem ousado e autêntico. Enquanto todos ao seu redor seguiam o fluxo do comercialismo e industrialismo crescentes dos Estados Unidos, glorificando o dinheiro e o status, ele deu meia volta e foi a para a mata, glorificar a vida. Seus escritos influenciaram personalidades como Gandhi e Martin Luther King e libertaram milhares do consumismo, do modelo de crescimento que depreda o ambiente, de uma vida de aparências e títulos vazios, fortificando o caminho para o minimalismo, a vida simples e cheia de significado. “Walden ou A Vida Nos Bosques” é o relato pessoal do tempo em que Thoreau viveu sozinho no meio da floresta, na casa que ele mesmo construiu e se alimentando não só do que plantava, mas também da essência da vida. 


Em julho de 1845, Thoreau foi para as matas do lago Walden, onde havia começado a construir sua casa em março daquele ano. Ele tinha 28 anos e muita sede de viver, de fato, como ele mesmo afirma nesta passagem: 

“Fui para a mata porque queria viver deliberadamente, enfrentar apenas os fatos essenciais da vida e ver se não poderia aprender o que ela tinha a ensinar, em vez de, vindo a morrer, descobrir que não tinha vivido” (p. 95).

No livro, Thoreau descreve e explica tudo: o porquê da decisão de passar um tempo isolado da sociedade capitalista, como construiu a casa, com que dinheiro e recursos, sua dieta, sua rotina, por que deixou o lago e voltou para Concord (Massachussets). Observador contumaz, descrevia as belezas naturais e as espécies com uma sensibilidade tocante, muitas vezes criando metáforas e associações com situações humanas. Ele tinha o dom da palavra, escrevia versos poéticos e prosas melodiosas com maestria, brincando com os vocábulos, tanto seus significados quanto suas formas. 

Foi poeta, ensaísta, filósofo transcendentalista, escritor, carpinteiro, “puro e franco”, nas palavras de seu conterrâneo Ralph Waldo Emerson, que no discurso fúnebre quando da morte de Thoreau, disse que este “decidiu ser rico diminuindo suas necessidades e atendendo pessoalmente a elas”. De fato, conseguiu. 

“Estou convencido, por fé e pela experiência, que se sustentar nesta terra não é um sofrimento e sim um passamento, se vivermos com simplicidade e sabedoria” (p. 77).

Henry David Thoreau 

Também foi polêmico, contestador, revolucionário, reacionário, contrário às estruturas sociais e econômicas que priorizavam o status e o lucro em detrimento da natureza. Crítico ferrenho da sociedade capitalista, que valora tudo e todos e não valoriza a vida. Tido por muitos como misantropo, era rígido com a própria espécie, mas não sem razão, como provavelmente acreditava. Para Thoreau, não faltavam motivos para contrariar e ironizar as situações que viveu e as circunstâncias que o cercavam. 

“A Natureza não tem habitante humano que a aprecie. As aves com suas plumagens e melodias estão em harmonia com as flores, mas qual o rapaz ou moça que está em consonância com a beleza agreste e luxuriante da Natureza? Ela mais floresce sozinha, longe das cidades onde residem. E falais dos céus! Vós desgraçais a terra” (p. 193).

Ao viver sozinho por dois anos, dois meses e dois dias às margens do Lago Walden, Thoreau se mostrou um aventureiro de uma terra só, ávido por experiências viscerais. Um sonhador sensato, um pensador que parte para a ação. Um verdadeiro amante e apreciador da natureza. Consumidor de carne intermitente, reconhecia a validade e os benefícios de uma dieta vegetariana, ironizando, por vezes, o assunto: 

“Um agricultor me diz: ‘Você não pode viver só de vegetais, pois eles não fornecem nada para os ossos’; e assim ele dedica religiosamente uma parte do dia a suprir seu sistema com a matéria-prima dos ossos; e, enquanto fala, vai andando atrás de seus bois que, com ossos feitos de vegetais, vão avançando e puxando aos trancos o homem e o pessoa do arado, passando por cima de qualquer obstáculo” (p. 23).

Ele colocava muitos conceitos em perspectiva, propondo reflexões tão ou até mais atuais do que quando foram escritas. Sobre o conceito de espaço, por exemplo:

“Muitas vezes me dizem: 'Imagino que você se sentia solitário lá embaixo, e queria estar mais perto das pessoas, principalmente nos dias e noites de chuva e neve'. Fico com vontade de responder: esta terra inteira que habitamos é um ponto no espaço. a que distância você acha que moram os dois habitantes mais afastados daquela estrada acolá, cujo diâmetro nossos instrumentos não conseguem calcular? Por que eu me sentiria sozinho? Nosso planeta não fica na Via Láctea? O que você está me colocando não parece a questão mais importante. Qual é o tipo de espaço que separa um homem de seus semelhantes e o faz solitário? Descobri que nem o maior esforço das pernas consegue aproximar dois espíritos" (p. 132).

Cabana construída por Thoreau

Sobre a ideia e o real significado do conforto:

“Uma noite, alcancei um de meus concidadãos, que tinha acumulado o que se chama de “bela propriedade” na estrada de Walden, levando duas cabeças de gado para o mercado, o qual me perguntou como eu podia renunciar a tantos confortos da vida. Respondi que tinha plena certeza de gostar bastante da vida que levava; e não estava brincando. E então fui para casa me deitar, e deixei o sujeito escolhendo cuidadosamente onde pisaria na escuridão e na lama até Brighton, aonde só chegaria em alguma hora da manhã seguinte" (p. 133).

Sobre o lago Walden, mas na verdade, sobre espiritualidade:

“Um campo de água revela o espírito que está no ar. Do alto recebe continuamente nova vida e novo movimento. É, em sua natureza, o intermediário entre o céu e a terra. ... admirável que possamos olhar sua superfície do alto. Algum dia, quem sabe, olharemos do alto a superfície do ar, e veremos por onde a percorre um espírito ainda mais sutil” (p. 183).

Sobre a importância de cuidar de si, corpo, mente e espírito:

“Todo homem é o construtor de um templo, chamado corpo, dedicado ao deus que ele cultua, num estilo puramente seu, e não pode se desobrigar apenas malhando mármore. Somos todos escultores e pintores, e nosso material é nossa própria carne, nosso sangue e nossos ossos. Toda nobreza logo começa a refinar os traços de um homem; toda mesquinharia ou sensualidade, a embrutecê-los” (p. 213).

Sobre a fragilidade das construções e entidades humanas:

“Vocês podem derreter seus metais e despejá-los nos moldes mais belos que tiverem; eles nunca me empolgarão como as formas em que se derrama essa terra derretida. E não só ela, mas as instituições sobre ela são maleáveis como a argila nas mãos do oleiro” (p. 293).

Os móveis utilizados pelo autor 

Sobre os conceitos de pobreza e riqueza.

“Por mais mesquinha que seja sua vida, aceite-a e viva-a [...] ela não é tão ruim quanto você. Ela parece tanto mais pobre quanto mais rico você é. Quem vê defeito em tudo verá defeitos até no paraíso. [...] As coisas não mudam, mudamos nós. [...] A humildade, tal como a escuridão, revela as luzes celestiais. [...] se você está tolhido em seu nível por causa da pobreza, [...] está apenas confinado às experiências mais significativas e vitais; vê-se obrigado a lidar com o material que rende mais açúcar e amido. É a vida perto do osso a mais doce. Você não corre o risco de ser frívolo. Ninguém jamais perde num nível inferior por sua magnanimidade num nível superior. A riqueza supérflua só pode comprar supérfluos. Não é preciso dinheiro para comprar o necessário à alma” (p. 309). 

Sobre o aprendizado constante, mais facilmente e agradavelmente absorvido para quem está disposto a aprender:

“A luz que extingue nossos olhos é escuridão para nós. Só amanhece o dia para o qual estamos despertos. O dia não cessa de amanhecer. O sol é apenas uma estrela da manhã” (p. 314).

Penso que se mudar para a mata para viver deliberadamente seja uma daquelas experiências que nos faz despertar para a verdadeira essência existencial, para os valores morais estruturantes e para as prioridades que orientam o ser humano para uma vida de amor, caridade e paz. Por fim, uma reflexão de Thoreau que cai como uma luva nos tempos que vivemos, de excessos e vazios:

"Que importância têm as coisas que você pode esquecer? Um pequeno pensamento é o sacristão de todo o mundo” (p. 335).

Nada como a luta contra si mesmo para o autodesenvolvimento.

“Dirige teu olhar para dentro de ti,
E mil regiões encontrarás ali,
Ainda ignotas. Percorre tal via
E mestre serás em tua cosmografia” (p. 302).
+

Conhecimentos novos e aprendizados no II EBEA

Por Letícia Maria Klein •
17 outubro 2015

A palavra de ordem no II EBEA foi amor. Logo na palestra de abertura, o professor Daniel Silva falou sobre “Os fundamentos emocionais da educação ambiental”. Foi fantástica! O professor tem muito conhecimento e sabe transmitir a informação de maneira apaixonante. Ele convidou algumas pessoas da plateia para contribuir com depoimentos ao longo da explicação, o que enriqueceu muito o momento. Além da palestra, o professor também ministrou uma oficina no dia seguinte, sobre o significado da sustentabilidade, que foi igualmente enriquecedora. Como auxiliar, participei de três oficinas com temas e públicos bem diferentes, mas muito interessantes. No post anterior eu falei sobre como foi participar do II EBEA como organizadora e neste comento sobre a palestra e oficinas de que participei.

Palestra de abertura

A palestra de abertura foi muito bem construída. O professor Daniel falou sobre a inexistência de gratuidade na natureza, o que significa que nada é por acaso e tudo tem relação, interdependência ou complementaridade com outro elemento ou parte do sistema da Terra. Esta visão sistêmica pode ser adquirida através da educação ambiental, que constrói consciências a partir de emoções. São três: emoções fundadoras, pedagógicas e estratégicas. As fundadoras são o amor e o bem comum. O ser humano não se encerra em si mesmo, ele precisa do meio e de outros seres para viver, preservando o que ama e o que é comum a todos. 

As emoções pedagógicas são as do dia a dia da educação ambiental, que têm o objetivo de religar o humano consigo mesmo e com a natureza, estabelecendo a pertinência (noção de pertencimento ao meio) e afinidade (valorização, respeito e reconhecimento do meio e dos outros seres vivos). Por fim, as emoções estratégicas tem relação com nosso futuro. Os educadores são comprometidos com o futuro e com a futuridade. Agir em compromisso com a futuridade é realizar ações no presente para construir o futuro e ter responsabilidade, que significa responder às situações com habilidade.

Para cada emoção, o professor chamou duas pessoas da plateia, que ele já conhecia de outras ocasiões, para darem um depoimento sobre o tópico. Foi muito interessante! Uma delas, integrante do GTEA RH7, que realizou evento paralelo ao II EBEA, disse que não gosta de falar educação ambiental, pois não se separa o que é inseparável. Não é possível educar sem relacionar o ambiente em que vivemos, desde nossa residência até a grande casa Terra. Os aspectos ambientais, sociais, econômicos, políticos são parte intrínseca da educação, pois se educa para a vida como um todo. Concordo com esta visão, e você?

Oficina com professor Daniel

Além da palestra, participei de quatro oficinas, sendo três como auxiliar. A oficina do professor Daniel foi bem prática e propôs uma metodologia de trabalho a partir da leitura de um texto sobre sustentabilidade, do qual cada um extraia o que considerava mais importante. Em seguida, cada grupo de quatro ou cinco pessoas deveria formular um conceito de sustentabilidade a partir da opinião de todos os membros, culminando na elaboração de um cartaz que simbolizasse a definição estabelecida pela equipe. A dinâmica foi ótima e o aprendizado, valioso.

A oficina sobre ferramentas de mobilização, ministrada pela fundadora da Minha Blumenau, Amanda Tiedt, começou com uma dinâmica muito interessante sobre democracia participativa, que mostrou que as mesmas pessoas podem ter opiniões similares sobre determinado assunto e opiniões diferentes sobre outro, e nem por isso elas vão deixar de conversar ou manter um relacionamento. Também foi falado sobre a cidadania ativa e o conceito de rede, colaboração e canalização da ação. Para entender na prática, Amanda mostrou quais as ferramentas que a Minha Blumenau disponibiliza aos cidadãos para reivindicar posturas do governo, sugerir propostas ou mobilizar ações e depois, em grupos, nós tivemos que escolher uma causa e a melhor ferramenta para potencializá-la.

A oficina do professor Amarildo Otavio Martins foi para suscitar nos estudantes o amor, ou ao menos a curiosidade, pela química. Crítico do sistema atual de ensino, que afasta os estudantes das ciências, Amarildo atua de forma a despertar, por meio de equipamentos e instrumentos em aulas práticas, o interesse das pessoas pelas ciências, em especial a química. A oficina foi sobre determinação de metais em matrizes ambientais utilizando a espectrometria atômica. Na prática, como identificar metais potencialmente tóxicos em água, solo, plantas, entre outras matrizes, utilizando o aparelho de espectrometria, que emite chamas coloridas, sendo que cada cor está relacionada a um metal. O conhecimento desta técnica, aliado ao monitoramento desses metais, como chumbo, cádmio e mercúrio, permite o desenvolvimento de metodologias mais eficientes e com alta sensibilidade analítica.

Oficina do professor Amarildo

A MPB Engenharia, responsável pela duplicação da BR-470, ofereceu uma oficina de como fazer um abajur decorativo com imagens da Mata Atlântica. A bióloga Daiane Kafer e a engenheira ambiental Marília Machado ensinaram mais de 30 estudantes a confeccionar abajures a partir de garrafa pet. Um lado não tão bom foi que apenas a garrafa foi um material reaproveitado, todos os outros materiais utilizados para fazer o abajur foram comprados novos, o que fugiu um pouco da proposta do EBEA que era a de reutilizar o máximo de resíduos possível. De qualquer forma, a criançada gostou bastante e ficou bem entretida durante toda a oficina. 

A programação deste ano do EBEA foi bem diversificada e interessante. Se você teve a oportunidade de participar, comente aqui embaixo o que achou do evento. =)
+

Olhares de dentro do II EBEA

Por Letícia Maria Klein •
12 outubro 2015

No ano passado, estive presente no Encontro Blumenauense de Educação Ambiental como participante e neste ano como organizadora. São duas experiências diferentes e igualmente ricas. Desta vez, acompanhei todo o planejamento e organização do evento, que começou em junho no GTEA L (Grupo de Trabalho de Educação Ambiental de Blumenau), depois de finalizada a Semana Municipal do Meio Ambiente. É energizante poder participar de toda a montagem das exposições no local, da arrumação das salas para as oficinas e de todos os preparativos para que tudo ocorra conforme o planejado. No fim, é gratificante ver que expositores, oficineiros, palestrantes e participantes gostaram e aproveitaram e também receber agradecimentos de professores pela oportunidade de apresentar os belos trabalhos que realizam com seus estudantes.

Parte do grupo do GTEA L com o professor Daniel Silva, 
após a cerimônia de abertura.

Foram 34 escolas que expuseram trabalhos fantásticos de educação, englobando horta comunitária, reutilização de materiais recicláveis, estudos de solo e fontes alternativas de energia, entre outros. As 12 oficinas tiveram públicos diferentes e abordaram temas como compostagem, atividades e ações educativas, gestão de resíduos, ferramentas de mobilização social e música com sucata, dentre outras. 

Exposição da Escola Básica Municipal Professora 
Norma Dignarti Huber sobre os tipos de solo.
Fonte: Prefeitura Municipal de Blumenau.

Exposição sobre o processo de taxidermia (empalhamento).
Fonte: Prefeitura Municipal de Blumenau.

Exposição da Escola Básica Municipal Francisco Lanser 
sobre o trabalho de horta e plantações.
Fonte: Prefeitura Municipal de Blumenau.

Aconteceram também apresentações artísticas e culturais e atividades interativas nos corredores e salas de aula, como peças teatrais, músicas e a Rede de Protetores das Águas, em que pessoas podiam confeccionar peixes e escrever neles mensagens de preservação. Também houve visitas de escolas à Estação de Tratamento de Esgoto da Odebrecht Ambiental, na Fortaleza. Cerca de 500 pessoas participaram das oficinas e por volta de 1000 de todo o evento, que aconteceu de 30 de setembro a 2 de outubro de 2015. 

No dia 30, à noite, foi a cerimônia de abertura, que contou com uma palestra belíssima do professor Daniel Silva, da Universidade Federal de Santa Catarina, sobre “Os fundamentos emocionais da Educação Ambiental”. Merece um post à parte, que sairá em breve. 

Oficina de compostagem.
Fonte: Prefeitura Municipal de Blumenau.

Crianças interagindo com as minhocas
durante oficina de compostagem.
Fonte: Prefeitura Municipal de Blumenau.

Na tarde do dia 30 e na manhã do 1°, paralelamente ao II EBEA, foi realizado o 1º Encontro dos Grupos de Trabalho de Educação Ambiental das Bacias Hidrográficas de Santa Catarina. Consegui participar de algumas palestras e conhecer o trabalho de GTEA de outras regiões, além de ouvir opiniões interessantes e esclarecedores sobre a educação ambiental e políticas públicas relacionadas. 

Cada membro do comitê organizador do EBEA recebeu tarefas para desempenhar durante o evento e dentre elas estava a de acompanhar oficinas e auxiliar no que fosse preciso. Nesta função, participei das oficinas de Ferramentas de Mobilização, realizada por Amanda Tiedt, fundadora da Minha Blumenau; Abajur Decorativo com Imagens da Mata Atlântica, da MPB Engenharia, responsável pela duplicação da BR-470; e Determinação de Metais em Matrizes Ambientais utilizando a Espectrometria Atômica, ministrada pelo professor do campus da UFSC em Blumenau, Amarildo Otavio Martins. Também falarei sobre elas em outro post, junto com a palestra de abertura, pois foram muito interessantes.

Além disso, pude participar de uma oficina ministrada pelo professor Daniel sobre o conceito de sustentabilidade, que foi bem prática, com dinâmicas em grupo. Show de bola! Falo mais dela no outro post. Por fim, terminamos o II EBEA com o Encontro de Coletivos de Blumenau, do qual participou a Amanda da Minha Blumenau, a Fabíola Cordeiro da Sinergia Urbana, o Giovani Seibel da ABCiclovias e eu com a Juventude Lixo Zero Blumenau. Cada um falou sobre os objetivos e ações do seu movimento e a plateia interagiu com contribuições bem legais. Nossas cabeças saíram fervilhando de ideias, aguardem!

Na oficina do professor Daniel. 
Foto de Cássia Koehler.

No Encontro de Coletivos de Blumenau.
Foto de Cássia Koehler.

Além de auxiliar nas oficinas, nós do GTEA também ajudamos os expositores e oficineiros a organizar seus locais, providenciando os materiais necessários e dando instruções. Carregamos muitas mesas e cadeiras e juntamos uma quantidade considerável de quilômetros ao fim dos três dias, andando e até correndo de um lado para o outro para garantir que tudo estivesse em ordem. Contamos com a ajuda de pessoas ótimas (da Uniasselvi Fameblu, da segurança e limpeza, entre outros), que contribuíram para o sucesso do II EBEA. Foi uma experiência maravilhosa e recompensadora, que evidencia a necessidade de investir na educação e a importância de valorizar esta que é a principal ferramenta de construção de uma sociedade justa, ética e sustentável.
+

De 8 para 17: conheça os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a Agenda 2030

Por Letícia Maria Klein •
03 outubro 2015

No ano 2000, 189 países membros da Organização das Nações Unidas estabeleceram 8 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio para serem cumpridos até 2015, este ano. Grande parte das metas dos objetivos foi alcançada e algumas não. Pensando nisso, a Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável no Rio de Janeiro em 2012, já tinha o fim dos ODM em pauta e a implantação dos ODS, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que abriam espaço para um novo acordo de cooperação mundial em busca da sustentabilidade. Os 8 ODM viraram 17 ODS, com 169 metas para garantir qualidade social, ambiental e econômica até 2030



O anúncio oficial dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável foi feito durante a Cúpula sobre o Desenvolvimento Sustentável, na sede das Nações Unidas, em Nova York, nos dias 25, 26 e 27 de setembro deste ano. Antes, os oito ODM contemplavam a erradicação da fome e da miséria, educação básica de qualidade para todos, igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres, redução da mortalidade infantil, melhora da saúde das gestantes, combate à Aids, à malária e outras doenças; garantia da qualidade de vida e respeito ao meio ambiente e estabelecimento de parcerias para o desenvolvimento.

Diferentemente dos ODM, que era destinado apenas a países em desenvolvimento, os novos objetivos englobam os países desenvolvidos. Outro avanço da Agenda 2030, como está sendo chamado o documento que reúne todos os ODS, é o espaço de destaque dado às questões ambientais e a transversalidade de temas, que englobam vários objetivos e suas metas. Como bem disse Kitty van der Heijden, do World Resources Institute (WRI), nesta entrevista

“A lição que aprendemos dos ODM é que não podemos fazer mudanças sustentadas se trabalharmos em setores separados. É a interconexão entre os três pilares que expressa a grande transformação dos ODS”. 

Nós vivemos num sistema e é só através da visão sistêmica que entendemos o significado e a importância de cada ponto da teia da vida. A sustentabilidade é baseada em três pilares não à toa. Apenas o equilíbrio entre as dimensões ambiental, social e econômica é que vai garantir o mundo que queremos para nós e nossos descendentes. 


Tripé da sustentabilidade e os problemas de 
considerar apenas duas das três dimensões

Parece que os países estão finalmente entendendo isto e todos os 193 Estados membros da ONU adotaram a nova Agenda de Desenvolvimento Sustentável. Agora, cada país terá que elaborar seu próprio plano nacional de ODS com o objetivo de cumprir as metas previstas na agenda.

Abaixo estão cada um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e algumas metas de cada um. Para conhecer todos os objetivos na íntegra, é só clicar na palavra "objetivo". O texto integral da Agenda 2030 em português pode ser lido aqui. Também vale uma visita ao canal da ONU Brasil no Youtube, que está cheio de vídeos sobre a Cúpula e os ODS.

Objetivo 1: Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

A pobreza extrema é medida hoje como pessoas que vivem com menos de US$ 1,25 por dia. Este objetivo tem metas de acabar com esta condição; reduzir a quantidade de pessoas vivendo na pobreza; implementar medidas e sistemas de proteção social; garantir direitos iguais das pessoas aos recursos econômicos, serviços básicos, recursos naturais, etc; aumentar a resiliência dos pobres e vulneráveis e reduzir sua exposição a eventos extremos; entre outras.

Objetivo 2: Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável.

As metas deste objetivo incluem acabar com a fome e garantir o acesso de todos a alimentos seguros, nutritivos e em quantidade suficiente; acabar com a desnutrição; dobrar a produtividade agrícola e a renda dos pequenos produtores de alimentos; garantir sistemas sustentáveis de produção de alimentos e implantar práticas agrícolas sustentáveis; manter a diversidade genética de sementes, plantas cultivadas, animais de criação e domesticados e suas respectivas espécies; aumentar o investimento em infraestrutura rural, pesquisa e extensão de serviços agrícolas, desenvolvimento de tecnologia e bancos de genes de plantas e animais; entre outras.

Objetivo 3: Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades.

Dentre as várias metas deste objetivo, estão: reduzir a taxa de mortalidade materna global; acabar com as mortes evitáveis de recém-nascidos e crianças menores de 5 anos; acabar com as epidemias de AIDS, tuberculose, malária e doenças tropicais negligenciadas; reduzir em um terço a mortalidade prematura por doenças não transmissíveis via prevenção e tratamento; reforçar a prevenção e o tratamento do abuso de substâncias; reduzir pela metade as mortes e os ferimentos globais por acidentes em estradas; assegurar o acesso de todos aos serviços de saúde sexual e reprodutiva; atingir a cobertura total de saúde; reduzir o número de mortes e doenças por produtos químicos perigosos, contaminação e poluição do ar e água do solo; fortalecer a implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco em todos os países; apoiar a pesquisa e o desenvolvimento de vacinas e medicamentos para as doenças transmissíveis e não transmissíveis; entre outras.

Objetivo 4: Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

Algumas das metas deste objetivo são: garantir que todas as meninas e meninos completem o ensino primário e secundário livre, equitativo e de qualidade; garantir que eles tenham acesso a um desenvolvimento de qualidade na primeira infância, cuidados e educação pré-escolar; assegurar a igualdade de acesso de homens e mulheres à educação técnica, profissional e superior de qualidade, a preços acessíveis, incluindo universidade; aumentar o número de jovens e adultos com habilidades relevantes para emprego, trabalho decente e empreendedorismo; eliminar as disparidades de gênero na educação e garantir a igualdade de acesso a todos os níveis de educação e formação profissional para os mais vulneráveis; garantir a alfabetização de todos os jovens e uma substancial proporção dos adultos, homens e mulheres; garantir que todos os estudantes adquiram conhecimentos e habilidades necessárias para promover o desenvolvimento sustentável; construir e melhorar instalações físicas para educação; entre outras.

Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.

As metas incluem: acabar com a discriminação contra mulheres e meninas em toda parte; eliminar a violência contra mulheres e meninas nas esferas públicas e privadas; eliminar as práticas nocivas; reconhecer e valorizar o trabalho de assistência e doméstico não remunerado; garantir a participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades para a liderança em todos os níveis de tomada de decisão na vida política, econômica e pública; assegurar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva e os direitos reprodutivos; entre outras.

Objetivo 6: Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos.

Algumas metas são: alcançar o acesso de todos e equitativo a água potável e segura; alcançar o acesso a saneamento e higiene adequados e equitativos para todos e acabar com a defecação a céu aberto; melhorar a qualidade da água; aumentar a eficiência do uso da água em todos os setores e assegurar retiradas sustentáveis e o abastecimento de água doce; implementar a gestão integrada dos recursos hídricos em todos os níveis, inclusive via cooperação transfronteiriça; proteger e restaurar ecossistemas relacionados com a água; apoiar e fortalecer a participação das comunidades locais para melhorar a gestão da água e do saneamento.

Objetivo 7: Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos.

Este objetivo tem as seguintes metas: assegurar o acesso universal, confiável, moderno e a preços acessíveis a serviços de energia; aumentar a participação de energias renováveis na matriz energética global; dobrar a taxa global de melhoria da eficiência energética; reforçar a cooperação internacional para facilitar o acesso à pesquisa e a tecnologias de energia limpa; expandir a infraestrutura e modernizar a tecnologia para o fornecimento de serviços de energia modernos e sustentáveis para todos nos países em desenvolvimento.

Objetivo 8: Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos.


Este é um dos objetivos com mais metas, que incluem: sustentar o crescimento econômico per capita de acordo com as circunstâncias nacionais; atingir níveis mais elevados de produtividade das economias por meio da diversificação, modernização tecnológica e inovação; promover políticas orientadas para o desenvolvimento que apoiem as atividades produtivas, geração de emprego decente, empreendedorismo, criatividade e inovação; melhorar progressivamente a eficiência dos recursos globais no consumo e na produção e empenhar-se para dissociar o crescimento econômico da degradação ambiental; reduzir substancialmente a proporção de jovens sem emprego, educação ou formação; tomar medidas imediatas e eficazes para erradicar o trabalho forçado, a escravidão moderna, o tráfico de pessoas e o trabalho infantil; elaborar e implementar políticas para promover o turismo sustentável, entre outras.

Objetivo 9: Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação.

Dentre as metas, estão: desenvolver infraestrutura de qualidade, confiável, sustentável e resiliente; promover a industrialização inclusiva e sustentável; modernizar a infraestrutura e reabilitar as indústrias para torná-las sustentáveis, com eficiência no uso de recursos e adoção de tecnologias e processos industriais limpos e ambientalmente corretos; fortalecer a pesquisa científica; facilitar o desenvolvimento de infraestrutura sustentável e resiliente em países em desenvolvimento; aumentar o acesso às tecnologias de informação e comunicação e se empenhar para oferecer acesso universal e a preços acessíveis à internet nos países menos desenvolvidos, até 2020; entre outras.

Objetivo 10: Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.

As metas incluem: alcançar e sustentar o crescimento da renda dos 40% da população mais pobre a uma taxa maior que a média nacional; empoderar e promover a inclusão social, econômica e política de todos; garantir a igualdade de oportunidades e reduzir as desigualdades de resultados; adotar políticas, especialmente fiscal, salarial e de proteção social; melhorar a regulamentação e monitoramento dos mercados e instituições financeiras globais; assegurar uma representação e voz mais forte dos países em desenvolvimento em tomadas de decisão nas instituições econômicas e financeiras internacionais globais; facilitar a migração e a mobilidade ordenada, segura, regular e responsável das pessoas; entre outras.

Objetivo 11: Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.

Algumas metas são: garantir o acesso de todos à habitação segura, adequada e a preço acessível e aos serviços básicos; proporcionar o acesso a sistemas de transporte seguros, acessíveis, sustentáveis e a preço acessível para todos; aumentar a urbanização inclusiva e sustentável; fortalecer esforços para proteger e salvaguardar o patrimônio cultural e natural do mundo; reduzir o número de mortes e o número de pessoas afetadas por catástrofes; reduzir o impacto ambiental negativo per capita das cidades; proporcionar o acesso de todos a espaços públicos seguros; aumentar substancialmente o número de cidades e assentamentos humanos adotando e implementando políticas e planos integrados para a inclusão, a eficiência dos recursos, mitigação e adaptação às mudanças climáticas, a resiliência a desastres; entre outras.

Objetivo 12: Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis.

Dentre as metas, incluem-se: Implementar o Plano Decenal de Programas sobre Produção e Consumo Sustentáveis; alcançar a gestão sustentável e o uso eficiente dos recursos naturais; reduzir pela metade o desperdício de alimentos per capita mundial; alcançar o manejo ambientalmente saudável dos produtos químicos e todos os resíduos; reduzir a geração de resíduos por meio da prevenção, redução, reciclagem e reuso; incentivar as empresas a adotar práticas sustentáveis; promover práticas de compras públicas sustentáveis; garantir que as pessoas, em todos os lugares, tenham informação relevante e conscientização para o desenvolvimento sustentável e estilos de vida em harmonia com a natureza; racionalizar subsídios ineficientes aos combustíveis fósseis, que encorajam o consumo exagerado; entre outras.

Objetivo 13: Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos.

As metas são: reforçar a resiliência e a capacidade de adaptação a riscos relacionados ao clima e às catástrofes naturais em todos os países; integrar medidas da mudança do clima nas políticas, estratégias e planejamentos nacionais; melhorar a educação, aumentar a conscientização e a capacidade humana e institucional sobre mitigação, adaptação, redução de impacto e alerta precoce da mudança do clima; implementar o compromisso assumido pelos países desenvolvidos partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima; promover mecanismos para a criação de capacidades para o planejamento relacionado à mudança do clima e à gestão eficaz, nos países menos desenvolvidos.

Objetivo 14: Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.

Algumas metas: prevenir e reduzir significativamente a poluição marinha de todos os tipos; gerir de forma sustentável e proteger os ecossistemas marinhos e costeiros para evitar impactos adversos significativos; minimizar e enfrentar os impactos da acidificação dos oceanos; regular a coleta e acabar com a sobrepesca, ilegal; conservar pelo menos 10% das zonas costeiras e marinhas; proibir certas formas de subsídios à pesca, que contribuem para a sobrecapacidade e a sobrepesca, e eliminar os subsídios que contribuam para a pesca ilegal; aumentar o conhecimento científico, desenvolver capacidades de pesquisa e transferir tecnologia marinha; assegurar a conservação e o uso sustentável dos oceanos e seus recursos pela implementação do direito internacional; entre outras.

Objetivo 15: Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade.

Um dos objetivos com mais metas, que incluem: assegurar a conservação, recuperação e uso sustentável de ecossistemas terrestres e de água doce interiores e seus serviços; promover a implementação da gestão sustentável de todos os tipos de florestas, deter o desmatamento, restaurar florestas degradadas e aumentar o florestamento e o reflorestamento globalmente; combater a desertificação, restaurar a terra e o solo degradado; assegurar a conservação dos ecossistemas de montanha; tomar medidas urgentes e significativas para reduzir a degradação de habitat naturais, deter a perda de biodiversidade, proteger e evitar a extinção de espécies ameaçadas, acabar com a caça ilegal e o tráfico de espécies da flora e fauna protegidas; integrar os valores dos ecossistemas e da biodiversidade ao planejamento nacional e local; entre outras.

Objetivo 16: Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

Algumas metas: reduzir a violência e as taxas de mortalidade relacionada em todos os lugares; acabar com abuso, exploração, tráfico e violência e tortura contra crianças; promover o Estado de Direito e garantir a igualdade de acesso à justiça para todos; reduzir os fluxos financeiros e de armas ilegais; reduzir a corrupção e o suborno; desenvolver instituições eficazes, responsáveis e transparentes; garantir a tomada de decisão responsiva, inclusiva, participativa e representativa; ampliar e fortalecer a participação dos países em desenvolvimento nas instituições de governança global; fornecer identidade legal para todos; assegurar o acesso público à informação e proteger as liberdades fundamentais; entre outras.

Objetivo 17: Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

Este é o objetivo com mais metas e divide-se em finanças, tecnologia, capacitação, comércio e questões sistêmicas. Algumas metas: fortalecer a mobilização de recursos internos, inclusive por meio do apoio internacional aos países em desenvolvimento, para melhorar a capacidade nacional para arrecadação de impostos e outras receitas; promover o desenvolvimento, a transferência, a disseminação e a difusão de tecnologias ambientalmente corretas para os países em desenvolvimento; reforçar o apoio internacional para a implementação eficaz e orientada da capacitação em países em desenvolvimento; promover um sistema multilateral de comércio mundial; aumentar a coerência das políticas para o desenvolvimento sustentável; reforçar a parceria global para o desenvolvimento sustentável; entre outras.

Para terminar, um videozinho muito interessante feito pela ONU sobre a Agenda 30 e os 17 ODS.

+

© 2013 Sustenta Ações – Programação por Iunique Studio