Ilha das Flores – Resenha

Por Letícia Maria Klein •
24 outubro 2013

Ilha das Flores não é, apesar do nome, uma ilha com flores. Bem longe disso. É, na verdade, um lugar em Porto Alegre (RS) para depósito de lixo. O curta-metragem de mesmo nome acompanha a colheita, compra e descarte de um tomate, que vai parar na ilha, junto com outros alimentos que foram descartados por milhares de pessoas na cidade. Alimentos que são destinados aos porcos do dono do terreno em questão e, depois, são deixados lá para que os moradores de Ilha das Flores possam recolher o que puderem. Em grupos de 10, em cinco minutos. Irônico e ácido, o filme de 13 minutos retrata o desperdício oriundo dos processos de produção e consumo atuais e como o capitalismo gera desigualdade social, interferindo na liberdade do ser humano. 

O curta foi produzido em 1989 por Mônica Schmiedt, Giba Assis Brasil e Nôra Gulart, com roteiro de Jorge Furtado e narração de Paulo José. Ganhou diversos prêmios nacionais e internacionais. No Brasil, venceu na categoria de melhor curta-metragem, roteiro e montagem no Festival de Cinema de Gramado, além de outros quatro prêmios regionais. Foi considerado o melhor curta brasileiro no Prêmio Air France do Rio de Janeiro e no Prêmio Margarida de Prata (CNBB) em Brasília. Foi destaque em festivais na Alemanha (Urso de Prata no International Filmfestival em Berlim e melhor filme no No-budget Kurzfilmfestival em Hamburgo), na França (Prêmio Especial do Júri Festival Internacional do Curta-metragem em Clermont-Ferrand e melhor filme no Festival International du Film de Region e Saint Paul) e nos Estados Unidos (Blue Ribbon Award no American Film and Video Festival, em Nova York). Não é pra qualquer um!



O filme trabalha dois temas principais: os padrões de produção e consumo das sociedades e a influência do dinheiro (e a falta dele) na vida das pessoas. Sobre o primeiro, fica bem evidente como produzimos demais, consumimos demais e depois não sabemos o que fazer com os resíduos que sobram e viram lixo. A questão é que não sabemos como lidar com o lixo. Desaparecer da frente de casa não significa desaparecer do planeta. Bem pelo contrário, quanto mais lixo colocamos pra fora de casa, mais sujo o planeta fica. E muita coisa jogada fora ainda podia ser consumida.

O outro tema, que eu acredito ser o foco do curta, são as consequências e efeitos do capitalismo na sociedade. Poucos com muito e muitos com pouco. A liberdade tão sonhada e apreciada pelos seres humanos é posta à prova quando envolve dinheiro, que pode ser uma algema para uns e um passaporte para outros. O filme propõe uma reflexão a partir do poder que o dinheiro tem na vida das pessoas, a ponto de tirar a sua liberdade. Esta é outra situação com a qual as sociedades e os governos não sabem lidar. Assim como o lixo é excluído, essas pessoas também são. Vivem à margem, sem (ou com pouquíssimas) oportunidades, devido à falta de dinheiro. Isto, pois o dinheiro é rei no mundo capitalista. Como o dinheiro foi criado pela humanidade, temos aqui um exemplo perfeito da máxima do filósofo Thomas Hobbes, “o homem é o lobo do homem”

Relacionando conflitos sociais, ambientais, econômicos e culturais, Ilha das flores sai da zona de conforto para provocar reflexões sobre individualidade, liberdade, opressão, exageros, desperdício, sonhos. Com uma narrativa rápida que não muda de tom, o filme questiona a racionalidade da espécie humana.

30 comentários:

  1. Anônimo9/16/2014

    Texto muito bom! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo11/26/2014

    É incrível como as pessoas costumam consumir além do necessário. Comprar demais, armazenar... desde quando se tem a facilidade hoje em dia de adquirirmos produtos perecíveis é uma total ignorância. Desta forma quase anula a afirmativa da autora que afirma ser humano como o que possui telencéfalo altamente desenvolvido e polegar opositor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As pessoas podem tomar atitudes muito inteligentes e também o contrário. O consumismo é um dos maiores males da humanidade atualmente e devemos combatê-lo com todas as nossas forças. É preciso aprender que não se precisa de coisas materiais para ser feliz e se sentir bem.
      Obrigada por comentar!

      Excluir
  3. Anônimo5/24/2015

    estou aqui tentando fazer uma resenha desse vídeo.... e é grave kkkk
    gostei muito da sua resenha!! parabéns!!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo6/08/2015

    Adorei a sua resenha, abordou bastante o assunto e me ajudou bastante com um trabalho da escola. KKKKK'
    Filme excelente, ótimas críticas ao consumismo e ao desperdício.
    Ótimo trabalho! Meus parabéns Letícia!!! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada!
      Adoro este curta e as críticas que ele faz aos padrões de produção e consumo e também à desumanização.
      Obrigada por comentar. =)

      Excluir
  5. Anônimo6/10/2015

    https://www.youtube.com/watch?v=Ch-LIsnG9Wc Veja esse video... O ser humano realmente e repugnante e mentiroso.... nao sei ate onde vao esses pensamentos capitalistas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.
      Na verdade, Ilha das Flores é um filme de curta-metragem que tem a intenção de passar uma mensagem abrangente, de nível global, usando aquela localidade como exemplo. Não é um documentário propriamente dito, é uma obra de ficção, apesar de usar o nome real do local. Porém, concordo que a equipe de produção devesse ter sido totalmente honesta com a população local sobre os termos do filme, os propósitos das atuações e qual a mensagem final que o roteiro previa.
      Obrigada por comentar!

      Excluir
  6. Maravilhoso texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Maria!
      Fico feliz que tenha gostado.

      Excluir
  7. Anônimo6/24/2015

    As pessoas consumem acima do que devem , isso é um fato.
    Porém não podemos deixar de lembrar que a grande massa da população e movida pelo capitalismo .
    E em maior parte o capitalismo e uma alienação barata e suja. Que pessoas que não tem uma ideologia , vivem por essa inanime alienação chamada capitalismo.
    1
    Seu texto e excelente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Penso que cada sistema econômico tem suas vantagens e desvantagens. O capitalismo em si não é ruim ou negativo, assim como o dinheiro ou a internet, por exemplo. São neutros, o que determina se é positivo ou negativo é a pessoa que faz uso dele. O maior problema do capitalismo hoje em relação à preservação ambiental, ao meu ver, é a economia linear, que não leva em conta a finitude dos recursos naturais e os limites do planeta. É possível ter uma sociedade harmônica e socialmente justa, com capitalismo, aplicando conceitos como economia circular e educando as pessoas para a sustentabilidade.
      Obrigada por comentar!

      Excluir
  8. Anônimo8/17/2015

    Oi, brilhante texto

    ResponderExcluir
  9. Anônimo9/01/2015

    Ótimo texto, parabéns. Sem dúvidas a melhor resenha que encontrei aqui na internet, ajudou-me bastante em meu trabalho da universidade. Continue firme em seu trabalho.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  10. Valeu dmais Letícia serviu para uma atividade na facul. "Brigadão"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que a resenha tenha te ajudado!
      Obrigada por comentar. =)

      Excluir
  11. parabéns adorei seu documentário sobre a ilha das flores,uma ideia bem ampla sobre o fato q ocorre,e esta me ajudando bastante para um trabalho da faculdade,
    o incrivel como as pessoas são ipocritas né uns tem tantos outros n tem nada,mas infelizmente é essa a nossa sociedade,...amei de vdd me ajudou bastante =-}

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carol.
      Muito obrigada, fico feliz que o post tenha ajudado! Este documentário traz reflexões muito pertinentes sobre a sociedade e mostra o quanto é importante cada um fazer a sua parte para um mundo sustentável.
      Obrigada por comentar. =)

      Excluir
  12. Ótima resenha. Sou aluna do Ensino Médio e sonho um dia ter uma percepção aguçada sob um documentário como você a teve deste. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana!
      Que bom que gostou, muito obrigada! A melhor maneira de aguçar a sua criticidade é ler continuamente, assistir frequentemente a documentários e participar de rodas de discussão, entre outros. ;)
      Obrigada por comentar!

      Excluir
  13. e em relaçao a etica Leticia Klein o que o curta metragem tenta passar? Estou com duvidas agradeço desde ja a atenção...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Matheus. Penso que, neste aspecto, o documentário tenta passar como alguns valores estão distorcidos na nossa sociedade, que trata algumas pessoas como se fossem invisíveis, não tivessem importância ou não valessem nada. Acho que o filme pretende evidenciar os diferentes pesos que as pessoas de uma mesma sociedade recebem, por vários motivos, mas principalmente por terem ou não terem dinheiro. Ninguém vale mais do que ninguém e todos merecem um tratamento justo e igualitário. Concordas?
      Obrigada por comentar!

      Excluir
  14. ola Leticia, sou estudante do 3º semestre do curso de Técnico em Segurança do Trabalho,ontem recebi uma mensagem do administrador do estagio que estou fazendo, pedindo que assistisse o filme Ilha das Flores para fazermos um debate no proximo domingo, assisti o mesmo,depois fiquei muito feliz por ter encontrado a sua resenha e todos os comentarios pertinentes ao filme,(efeitos do capitalismo: desigualdade social, meio ambiente:como lidar com o lixo, desperdicio, invizibilidade, pobreza extrema, tudo isso vai ajudar muito neste final de semana e em todo aprendizado.
    PARABENS pelo trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cícero, tudo bem?
      Que bom que a resenha te ajudou, fico feliz.
      Muito obrigada pelo comentário!

      Excluir

Oi, tudo bem? Obrigada por passar aqui! O que achou do post? Comente aqui embaixo e participe da conversa.

© 2013 Sustenta Ações – Programação por Iunique Studio