A Corporação – Resenha

Por Letícia Maria Klein •
05 março 2014

Imagine viver num mundo onde somos governados por grandes corporações, que colocam o lucro acima de tudo e de todos. Na verdade, não precisa imaginar, pois nós já vivemos nesse mundo, em que as maiores empresas e conglomerados têm mais poder que o próprio governo, controlando o que vestimos, comemos, assistimos, compramos, falamos e até estudamos na faculdade. É o que mostra o documentário A Corporação, lançado em 2003 e dirigido por Mark Achbar e Jennifer Abbott com base no livro A Corporação – A Busca Patalógica por Lucro e Poder, de Joel Bakan. 



Com 145 minutos de duração, o documentário conta casos que exemplificam o poder das corporações e os negócios e tratativas que elas fazem para ganhar dinheiro, muitas vezes não se preocupando com o bem-estar dos funcionários, a saúde dos consumidores, ética no trabalho, direitos humanos e a preservação do meio ambiente. Como cita o diretor Michael Moore, um dos convidados entrevistados no filme, a cobiça é tanta que o rico venderá a corda para se enforcar se achar que pode lucrar com isso. 

Os casos mais chocantes são os que envolvem empresas do ramo alimentício, que provocam um impacto negativo gigantesco na vida de consumidores e/ou pessoas que moram próximo às fábricas, fazendas e plantações, causando sérios problemas de saúde, como câncer e alterações genéticas. Um exemplo é o da Monsanto, indústria de agricultura e biotecnologia, que mentiu descaradamente sobre os efeitos da droga que administrava nas vacas leiteiras para aumentar a produção de leite. Além de causar diversos problemas nas pessoas que consumiam o leite, como inflamações em diferentes órgãos e problemas de reprodução, causava dor, sofrimento e aflição aos animais. 

As entrevistas são o fio condutor do documentário. Ao todo são 40 convidados que incluem críticos ao sistema e também pessoas que fizeram ou ainda fazem parte de corporações. O objetivo do filme é mostrar como o capitalismo extremo, a ânsia desmedida pelo lucro, pode acabar com a sociedade e o planeta. Ele não é contra o capitalismo, mas a favor da redução do poder das empresas de forma legal, do exercício da ética e da valorização da vida em primeiro lugar. 

Se você se interessou, confira abaixo o documentário abaixo. É bem interessante, recomendo.

6 comentários:

  1. Anônimo10/27/2014

    Gostei muito de ter assistido, é muito interessante mesmo, infelizmente é o que está acontecendo no mundo todo, muito complexo e verdadeiro ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Este documentário é muito interessante mesmo e mostra questões preocupantes. Muito válido para professores discutirem com alunos nas escolas e faculdades.
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  2. Anônimo4/02/2015

    O documentário tem claro viés de esquerda. As entrevistas foram feritas com Noam Chomsky e outros intelectuais de esquerda, que desde sempre são combatentes ferozes contra o capitalismo. É verdade que há empresas que fogem à sua responsabilidade social, porem não são todas. E o filme não aborda os milhões de empregos gerados por tais empresas, nem os milhões de impostos pagos por elas, que permitem ao Estado o fornecimento de Saúde, Educação e Justiça, dentre outros aspectos favoráveis não abordados. O filme é de 2003 e muita água já passou sob essa ponte, pois as empresas sofrem mais a vigilância do Estado e a população está muito mais informada tendo condições de se posicionar corretamente, para não ser prejudicada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, obrigada por comentar! Assuntos sempre ficam mais ricos com divergência de opiniões.
      As grandes corporações de fato têm muito poder na tomada de decisões que influenciam a sociedade e muitas delas ainda se preocupam apenas com o lucro. O documentário "The story of stuff" também fala sobre o poder das empresas neste sentido. Como você disse, agora o Estado e os próprios consumidores estão mais vigilantes e eu acredito que é uma tendência as empresas tornarem-se transparentes com o tempo. Todo empreendimento produz impactos positivos e negativos e, por mais que haja aspectos bons, o objetivo de "A Corporação", como eu vejo, é abordar o lado obscuro e as consequências ruins que grandes empresas podem provocar em termos socioambientais. Por mais que haja empregos e geração de renda, não penso que isso seja motivo para não se falar dos impactos negativos que as grandes corporações geram, visto que milhões de pessoas e a biodiversidade são afetadas por elas. A sociedade como um todo deve trabalhar em prol da sustentabilidade, baseada nos pilares de economicamente viável, socialmente justo e ambientalmente correto. Apenas assim tem-se a manutenção da vida, da biodiversidade, dos direitos humanos, da justiça e da liberdade.

      Excluir
  3. Anônimo12/05/2015

    Adorei a abordagem critica a respeito do filme, é um documentário muito interessante e iluminador, nos faz ver o quão cruel e psicopatológico é o sistema capitalista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Documentários são muito bons para nos fazer refletir sobre a realidade e a sociedade em que vivemos. Claro que devemos ter um olhar crítico em relação a eles, mas no geral conseguimos aprender e olhar as situações sob outros ângulos.
      Obrigada por comentar!

      Excluir

Oi, tudo bem? Obrigada por passar aqui! O que achou do post? Comente aqui embaixo e participe da conversa.

© 2013 Sustenta Ações – Programação por Iunique Studio