Dicas para um carnaval sustentável

Por Letícia Maria Klein Lobe •
18 fevereiro 2020
Pronto para pular Carnaval? A festa está chegando, com muita alegria e diversão. Porém, infelizmente, vem com alguns problemas ambientais também. Claro que dá para evitar isso e curtir a folia de consciência limpa, por isso eu trouxe algumas dicas para você ter um Carnaval sustentável

Brilho biodegradável
O glitter é feito a partir de uma película de poliéster metalizada, sendo, portanto, um material plástico, originado do petróleo. Além de ter uma fonte não renovável, o glitter  é considerado um microplástico pela Administração da Atmosfera e Oceano dos Estados Unidos (NOAA, em inglês). 

Microplásticos são um grande problema ambiental hoje. Ele é tanto uma matéria-prima quanto o resultado da decomposição do plástico ao longo do tempo, que vai se desfazendo em pedaços cada vez menores. Já foi encontrado na água da torneira, na água de garrafa, em cerveja, mel, sal. Nos oceanos, eles são consumidos por peixes, que depois são consumidos por pessoas, entrando assim na cadeia alimentar. Provavelmente temos partículas de plástico no nosso organismo; não precisamos de mais disso por fora, não é mesmo? 

Então, para continuar brilhando no Carnaval sem prejudicar o ambiente, é só usar um glitter natural, biodegradável, produzido a partir de minerais naturais, algas marinhas e corante alimentício. Um desses minerais é a mica, encontrado em alguns solos do país. Minha amiga Ana Flávia, engenheira florestal, encontrou esse da foto em Minas Gerais; depois lavou com água sanitária, secou e triturou com os dedos.  

Mica encontrada em Minas Gerais. Foto: Ana Flávia Boeni
Mica encontrada em Minas Gerais. Foto: Ana Flávia Boeni.

Mica encontrada em Minas Gerais. Foto: Ana Flávia Boeni
Mica encontrada em Minas Gerais. Foto: Ana Flávia Boeni.

Mica encontrada em Minas Gerais. Foto: Ana Flávia Boeni.
Mica lava e quebrada em pedacinhos. Foto: Ana Flávia Boeni.

Mica encontrada em Minas Gerais. Foto: Ana Flávia Boeni
Mica triturada até virar pó. Foto: Ana Flávia Boeni.
Ela explicou que as micas se parecem com pequenas folhas de plástico, que brilham quando expostas ao sol. Já existem algumas empresas no Brasil que produzem bioglitter ou ecoglitter, é fácil encontrar pela internet. Para aplicar, a Ana sugere passar primeiro um creme hidratante e depois esfregar o glitter ou usar cola bastão para aumentar a fixação.

Penas artificiais 
As penas que são abundantemente usadas em fantasias de Carnaval vêm de animais como faisão, pavão, ganso ou avestruz e são extraídas de forma cruel, causando sofrimento aos bichos. Existe até um projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados que prevê a proibição, em todo o país, do uso de penas e plumas de origem animal em fantasias e alegorias. Então, se quiser esses adereços na sua roupa, e aqui temos um lado bom do plástico, procure por penas ou plumas sintéticas.

Folha de árvore 
Papel picado é outra coisa que faz a festa do pessoal. O problema disso é o desperdício e a poluição que gera, sujando ruas, córregos e entupindo bueiros. Uma alternativa bem bacana é utilizar folhas de árvore picadas, que, por serem naturais, não poluem e se degradam rapidamente. Mas não vai sair por aí arrancando folhas das árvores, coitadas; aproveite as que já estão no chão.

Lixo zero 
excesso de lixo nas ruas é um grande problema da festa. São copos plásticos, papéis picados, embalagens e tantos outros. Para evitar isso, tenha o seu próprio copo, que pode ficar junto ao corpo com uso de um tirante. Existem opções de plástico resistente, de metal e de silicone, inclusive retráteis. Para comer, use guardanapos de pano. Se puder e quiser, também vale levar uma bolsinha a tiracolo com um par de talheres pequenos. 

Copo retrátil e guardanapo de pano
Copo retrátil e guardanapo de pano.
Reutilize e guarde 
Por fim, se você já tem acessórios e fantasias de outros carnavais, reutilize-os! Você pode customizar a roupa, fazendo algo novo a partir de algo usado. Além de economizar dinheiro, você não vai gerar uma demanda por produtos novos no mercado, o que diminui a pressão por extração de bens naturais. Se você tem um grupo de amigos que curte a festa todos os anos, vocês podem trocar fantasias ou até se reunir para customizá-las. Depois da folia, tudo que puder ser reaproveitado, guarde para o próximo ano.

Agora, é só colocar essas dicas em prática e aproveitar seu Carnaval de forma consciente e sustentável! 

Um ecobeijo e até breve!

0 comentários:

Postar um comentário

Oi, tudo bem? Obrigada por passar aqui! O que achou do post? Comente aqui embaixo e participe da conversa.

© 2013 Sustenta Ações – Programação por Iunique Studio